Consciência Negra em Música: Billie Holiday – Strange Fruit (Traduzido)

Strange Fruit” é uma canção cuja versão mais famosa é a de Billie Holiday. Foi composta como um poema, escrito por Abel Meeropol (um professor judeu de colégio do Bronx), sobre o linchamento de dois homens negros. Ele a publicou sob o pseudônimo de Lewis Alla. Condenando o racismo americano, especialmente o linchamento de afro-americanos que ocorreu principalmente no Sul dos Estados Unidos mas também aconteceu em outras regiões do país. A versão de Holiday foi colocada na lista do Hall da Fama do Grammy em 1978. Também foi incluída na lista de canções do século da Recording Industry of America e da National Endowment for the Arts. A letra é chocante e, descontando a diferença de métodos, fica evidente que o linchamento continua. Quando vamos parar ?

MPB: Rumo – Universo [Um Plano] – 2019

Hoje com saudades do Grupo Rumo, que revolucionou a MPB nas décadas de 1990-2000. No ano passado havia uum projeto de retorno do Grupo, mas até agora ainda não houve uma volta mais concreta. 

O grupo Rumo voltou ao disco e à cena em 2019, 45 anos após ter sido formado em 1974 na cidade de São Paulo (SP) por Luiz Tatit, Ná Ozzetti, Hélio Ziskind, Geraldo Leite, Akira Ueno, Paulo Tatit, Pedro Mourão, Gal Oppido, Ciça Tuccori – única integrante que partiu, em 2003 – e Zécarlos Ribeiro. O álbum é um lançamento do Selo Sesc.

Grupo Rumo: Universo (2019)

Música do Dia: Florence + the Machine: NPR Music Tiny Desk Concert (22/10/2018)

Em 2018, Florence fez esta bela apresentação para o NPR Music Tiny Desk Concert – curtam !

Set List

  • “June”
  • “Patricia”
  • “Ship to Wreck”

Músicos Florence Welch (Vocals), Tom Monger (Pedal Harp), Hazel Mills (Keyboard and Vocals), Robert Ackroyd (Guitar)

Faces: Militani de Souza – Antes que amanheça (2020)

Um dos objetivos do Vitrola dos Sousa é o de promover novos talentos. Militani é o líder e um dos integrantes do Boi Luzeiro, conjunto mineiro que promove ritmos regionais. Curtindo, como nós, o isolamento imposto pela pandemia, Militani se lançou em projeto solo, acompanhado por um time de grandes músicos. O resultado é esplêndido. Fiquem de olho, pois pelo que sei vem muita coisa boa por ai.

Ficha Técnica:

  • Militani de Souza – Composição e Violão
  • Camila Rocha – Baixo elétrico
  • Dil Brasil – Zabumba
  • João Paulo – Vibrafone
  • Nego Henrique – Ilú, Caxixi, Triangulo e Gonguê
  • Marcos Suzano – Pandeiro
  • Túlio Araújo – Pandeiro

Biscoito Maria – Arte Gráfica Bartira Prosdocimi – Edição de vídeo Marcos Suzano – Master e Mix Nandinho Militani – Agradecimento mais que Especial

Homenagem: Renato Barros

Renato Cosme Vieira de Barros (Rio de Janeiro, 27 de setembro de 1943 — Rio de Janeiro, 28 de julho de 2020), conhecido por Renato Barros

 

Renato era o líder da banda Renato e Seus Blue Caps, e tinha 76 anos. A morte foi comunicada pela família na página oficial do cantor no Facebook. Toda a geração que hoje tem entre 50 e 60 anos se divertiu e cantou com Renato os seus muitos sucessos.

 

No início dos anos 1960, formar um conjunto era o sonho de todo garoto suburbano. Os três irmãos Barros, mais os vizinhos Gelson e Euclides de Paula, passaram a tocar ainda adolescentes. Acabaram tomando emprestado o nome do grupo do roqueiro americana Gene Vincent, os Blue Caps.

Renato e Seus Blue Caps

Renato e seus Blue Caps, chegou a ter Erasmo Carlos nos vocais, foi contratado para o programa Jovem Guarda da TV Record, e tornou-se o mais popular da era do iê-iê-iê, principalmente pela versões de canções dos Beatles.

Muitos dos discos de Roberto Carlos nos anos 60 tem acompanhamento de Renato e seus Blue Caps, e composições de Renato Barros.  (Fonte: Jornal do Comércio)

Renato e os Blue Caps em 1973:

 

Lançamento: Fernanda Takai – Será Que Você Vai Acreditar ?

Fernanda-Takai

4-star - Stars In A Line, transparent png #2522572

Fernanda está de volta. Aproveitando a pausa da quarentena está lançando “Será que Você Vai Acreditar ?” No repertório boas surpresas:  Não creio em mais nada de Paulo Sérgio, tida como brega na década de 1970, ganha aqui uma linda versão. Há faixas originais como Terra Plana (John Ulhoa) , Não esqueça (Nico Nicolaiewsky), O Que Ninguém Diz (Climério Pereira), releituras, One Day in Your Life, eternizada na voz de Michael Jackson e Love is a Losing Game, de Amy Winehouse e participações especiais de fora do Brasil:  japonesa Maki Nomiya, vocalista do Pizzicato Five, em Love Song e a franco-brasileira Virginie Boutaud, ex-vocalista da banda Metrô, na faixa Amor nos Tempos do Cólera. Tudo embalado pela voz doc e afinada de Fernanda Takai.

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: