Os Melhores de 2012: #7. Tom Zé: Tropicália Lixo Lógico

https://i1.wp.com/fitabruta.com.br/wp-content/uploads/2012/12/tomze.jpg

O pretérito mais-que-perfeito do subjuntivo nos obrigaria a dizer que um produtor muito requisitado hoje em dia pelos indies não teria agradado a Tom Zé e, como resultado, foi dispensado da labuta. O fato mais concreto é que “Tropicália Lixo Lógico” é o melhor álbum da carreira recente de Tom Zé. O disco extrapola a pesquisa (sensacional) que Tom Zé conduziu como primordial para a composição das músicas e faz dançar ao som de divertidas peças embebidas em baião e samba, por exemplo. Tem uma grande peça (“Tropicalia Jacta Est”), uma faixa grudenta (“O Motobói e a Maria Clara”) e um Tom Zé admitindo que talvez possa ter errado ao mandar Caetano tomar no c*u. (Yuri de Castro)

Parabelo

Fomos relembrados pelo Thiago Paiva da beleza de Parabelo, composto por  José Miguel Soares Wisnik e Tom Zé para um espetáculo do Grupo Corpo, daqui de BH. O significado original da palavra Parabelo é o nome de uma pistola automática, outrora usada pelo exército alemão.

O belo texto de Tom Zé, publicado, na época no Estado de Minas, explica o porque da música e do nome:

“Co-autor da música de “Parabelo”, o Grupo Corpo estréia dia 17, no Teatro Municipal de São Paulo, Tom Zé explica os ritmos que buscou no Nordeste para, junto com o compositor José Miguel Wisnik, oferecer ao coreógrafo Rodrigo Pederneiras a sonoridade de sua nova invenção.

Creio não ser lesa-patriotismo misturar Thomas Mann ao Nordeste. Seja porque o escritor, apesar de alemão, tem, por parte de sua mãe, Dona Júlia, seu ramo de origem brasileira, seja porque a associação de idéias se alimenta do imprevisível.

O fato é que a ligação me ocorreu através de seu personagen Hans Castorp, do romance A Montanha Mágica. Este, depois de algum tempo vivendo em Davos-Platz, estação climática para tuberculosos, apaixona-se por uma nobre russa, Clawdia Chauchat, também em tratamento. Hans Castorp, depois de muito hesitar, rompe as formalidades do sanatório, conseguindo aproximar-se da mesa dos russos, na febril curiosidade de pelo menos ouvir a voz da amada.

É aí que acontece o sertão.

Ouvindo a língua russa, que, comparada ao alemão, é pobre de consoantes, Hans Castorp admira-se de que um falar daqueles, ‘‘sem ossos’’, segundo sua expressão, possa manter-sede pé.

Então eu fiz a pergunta-espelho: como é que o nordestino se mantém de pé, naquela penúria, naquela miséria, naquela subalimentação de 400 anos ? Conclui: devem ser os ritmos, os ritmos musicais nordestinos.

Os três principais alimentos Nordeste são designados: farinha de mandioca, carne seca e ritmo.Mas é o ritmo que nos mantém de pé, verticais, que faz o papel dos ossos.

Quando ficamos insulados e pobres, no sertão do Brasil, defrontamos um paradoxo: amávamos a herança cultural de nossos avós portugueses-civilizados pelos árabes na Idade Média, ao contrário do restante da Europa, educado pelos bárbaros cristãos, godos, visigodos, bretões…

Assim, amando a cultura moçárabe daqueles avós, mas analfabetizados pela penúria, nosso artifício vital foi falar cultura, conversar cultura, dançar cultura. Passamos a plantar leituras de concepções metafísicas em acontecimentos do cotidiano; a fazer pentimento, sobrepondo à paisagen da caatinga chaves visuais do conhecimento esotérico; a montar eixos de filosofia na sintaxe de uma língua têxtil, de um falar que compõe cosmogonias (ver isso também nos Gerais de Guimarães Rosa).

Ah-pois, meu senhor, essa ossatura que nos mantém de pé, a espinha dorsal que nos sustenta a verticalidade e nos confere uma postura semelhante à de outros humanos, enfim, as consoantes de nossa língua, ou melhor, de nossa vida, é o ritmo. Os ritmos musicais do Nordeste.

Ele é o núcleo mais concentrado: a cápsula da mais densa potenciação cultural do nordestino. Era para nós como uma face do Sagrado. No Nordeste, o ritmo é Deus desidratado.

E foi Thomas Mann, esse fluminense alemão,que me pôs no rastro da ossatura rítmica nordestina, que é a obra de Jackson do Pandeiro. José Miguel Wisnik compôs, comigo, um edifício sobre tais alicerces e trouxemos esses ritmos ao Paralelo.

No Nordeste o ritmo é Deus desidratado.”

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: