Na Hora de Dormir: Homenagem ao meu Estado – Minas Gerais

A Rede Globo Minas produziu , a partir de 2010 , uma série de chamadas comerciais , para serem tocadas nos intervalos comerciais, com músicos  e músicas mineiras, que deixaram a todos nós mineiros envaidecidos e encantados. Vale a pena dividir com o resto do Brasil. Aqui uma coletânea dos primeiros comerciais da série:

Show: Pedro Morais – Lavras Novas 30/06/12

Final de semana em Lavras Novas,MG , hospedado na Pousada Carumbé e uma excelente surpresa: um show com Pedro Morais, uma das mais promissoras novas vozes da música mineira. Durante mais de três horas, Pedro, acompanhado de seu maravilhoso violão nos brindou de um mix de músicas de seu primeiro CD, de 2005, músicas novas do segundo CD, “Sob o Sol”, que acaba de ser lançad,  e muitos sucessos da MPB, tocados sempre com arranjos inspirados e criativos. Simpático, eficiente e carismático, Pedro tem tudo para se firmar como um dos grandes nomes da nova geração da MPB.

Cantor e compositor, dono de uma voz privilegiada, de timbre incomum, Pedro Morais é uma das grandes promessas da música brasileira. Músico desde os sete anos e ganhador de diversos festivais, lançou em 2005 seu primeiro CD. Pedro se destaca na cena da MPB de Minas Gerais com um repertório próprio composto de canções densas e cativantes, resultando em mais de 100 apresentações anuais por todo o Estado.

Natural de Belo Horizonte (MG), Pedro Morais, mudou-se aos 2 anos de idade para a cidade de Minas Novas, no Vale do Jequitinhonha. Aos sete anos, começou a executar seus primeiros acordes ao violão, incentivado pelos pais. Pouco tempo depois, já familiarizado com um segundo instrumento, o bandolim, passou a freqüentar rodas de chorinho e samba-canção, se tornando o mais novo bandolinista do Vale do Jequitinhonha. Nessa época, começou a acompanhar seus pais, Vânia Morais e Dalton Magalhães, em festivais regionais, se habituando aos palcos. Aos 14, retomou o interesse maior pelo violão e passou a fazer apresentações solo. Posteriormente, já em Belo Horizonte, Pedro integrou uma banda de MPB e Rock, o que veio a contribuir para seu amadurecimento artístico-musical.

Em 1999, Pedro Morais fatura o prêmio de melhor intérprete do16.º Festival da Canção de Turmalina – Festur – com uma música de sua própria autoria. Em 2003 gravar seu primeiro demo. Neste mesmo ano, se apresentou no projeto “Na hora do rush” e foi o vencedor do 22° Festival de Música do Vale do Jequitinhonha (FESTIVALE).

No ano seguinte, participou como convidado do projeto “Viva a praça – cantores do BDMG cultural” e foi um dos vencedores do Conexão Telemig Celular 2004 – Novos Talentos na Música Mineira, participando do CD do projeto com as músicas “Minha Loucura” e “Muito Mais”. Esta última, com a participação especial de Marina Machado.

Em 2005 Pedro grava o seu primeiro CD, homônimo, produzido “a quatro mãos” pelo baiano Luiz Brasil e o mineiro Flávio Henrique. O CD, com 12 faixas, 11 autorais e uma gravação à capela de “O Mestre Sala dos Mares”, de João Bosco e Aldir Blanc, contando com a participação de grandes instrumentistas brasileiros como Alberto Continentino (Baixo), Egler Bruno (Guitarras) Lincon Cheib(Bateria), Luiz Brasil (Violões), Paulo Calazans (Teclado), Ricardo Fiúza (Piano e Teclado) e a participação internacional do sueco Stephan Kurmann (Baixo Acústico), dentre outros.

Lançado em maio de 2006, com distribuição da Tratore, em dois shows com ingressos esgotados, o CD conquista público e crítica no estado e firma o nome do artista como uma das grandes revelações da MPB contemporânea.

A partir daí, Pedro faz apresentações em importantes eventos e projetos, como o show de 70 anos da Rádio Inconfidência, 35 anos do Palácio das Artes, Conexão Telemig Celular e Música Independente (onde teria, até aquele momento, o maior público da história do projeto), além de apresentações em diversas cidades do interior de Minas.

Nesse período, Pedro divide o palco com artistas reconhecidos do cenário da música mineira e nacional, como Vander Lee, Max de Castro, Paulinho Moska, Toninho Horta, Beto Guedes, Flávio Venturini, Ná Ozzetti, Simone Guimarães e Flávio Henrique.

Pedro Morais acaba de finalizar seu mais recente album, “Sob o Sol” produzido por Chico Neves e gravado no RJ o novo CD é uma continuidade do trabalho de Pedro e expressa de forma completa sua evolução musical.

Nova Música Mineira

Quatro bandas mineiras e uma só vontade: profissionalizar e distribuir com mais eficácia o trabalho produzido por cada uma delas. Estava dado o mote para a criação do Projeto Rampa – Incubadora de Bandas. Com esses e dezenas de outros objetivos traçados e discutidos semanalmente no oitavo andar de um dos tradicionais prédios do Centro da cidade – o Edifício Sulacap, mais precisamente em uma das salas do estúdio Pato Multimídia –, as bandas Valsa Binária, Aldan, A Fase Rosa e Vitrolas começam juntas a se configurar, desde o início deste ano, como mais um projeto que promete movimentar a cena independente de Belo Horizonte.  (Artigo integral: O Estado de Minas)

Quem é quem

Rodrigo Valente / Divulgação

Valsa Binária
Nascida em 2008, a banda é formada pelos músicos Leo Moraes (guitarra e voz), Rodrigo Valente (bateria), Alex Reuter (baixo) e Gabriel Murilo (guitarra/teclados). Depois de divulgar uma demo, em 2009, que rendeu uma menção honrosa no Fest Clip, em São Paulo, pela canção Por esse lugar, o grupo lançou seu primeiro disco em agosto de 2011.

Alexandre Costa / Divulgação

Aldan
Em atividade desde 2006, o quarteto formado por Marcus Vinícius Evaristo (voz e guitarra), Davi Brêtas (guitarra), Bruno Carlos (bateria e voz) e Fernando Bones (baixo e voz) lançou, em 2010, o EP Você já roubou hoje?. Já o primeiro álbum cheio, intitulado Uma nova humilhação, saiu neste ano e ganhou também seu primeiro clipe, para a faixa A quinta formação (dos Engenheiros do Hawaii).

Lucas Diniz / Divulgação

 Vitrolas


Formada por Bernardo Dias (guitarra, violão e voz), Fernando Persiano (baixo e voz), Miquéias Maciel (bateria) e Paulinho Rodriguez (teclado, violão e voz), a banda já está na estrada há 12 anos. Original de Governador Valadares, já coleciona três álbuns na carreira.

 

Rodrigo D'avila / Divulgação

A Fase Rosa
A banda surgiu em 2008 e é composta por Thales Silva (violão, guitarra e voz), Fernando Monteiro (bateria), Rodrigo Magalhães (baixo) e Rafael Azevedo (guitarra). Com dois EPs no currículo, o grupo se prepara agora para lançar o primeiro disco da carreira.

Mais sobre as bandas no Raras Músicas

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: