Documento: III Festival da MPB 1967 – A Grande Final (TV Record)

Resultado de imagem para Festival de Música Popular Brasileira 1967

Um dos programas musicais que mais me marcou quando ainda era criança (tinha 11 anos) foi oFestival de Música Popular Brasileira de 1967, a terceira edição do Festival de MPB organizado pela TV Record de SÒ Paulo. Ele aconteceu entre 30 de setembro e 21 de outubro de 1967, no Teatro Record Centro, em São Paulo, com apresentação de Sônia Ribeiro e Blota Júnior.

Quem não assistiu não tem ideia do impacto que ele causou em todo país. Uma nação acostumada a cantar boleros, mal iniciada na Bossa Nova e na Jovem Guarda foi de repente invadida por uma série de conceitos musicais novos. A música podia ser tradicional, o samba modernizado, o rock abrasileirado, a música brasileira eletrificada, as letras passaram a retratar o cotidiano, a propiciar o protesto e a esperança. Se como apenas isto já não bastasse toda uma geração de gênios musicais estava sendo lançada, ou consagrada ali: Edu Lobo, Chico Buarque, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Marília Medalha, MPB-4, Mutantes, Elis Regina, Jair Rodrigues, Nara Leão, Dori Caymmi, Roberto Carlos,  foram apenas algumas das atrações  envolvidas na disputa.

Para mim era impossível escolher a melhor e o público se dividiu e torcia como em uma partida de futebol, aplaudindo e cantando as suas favoritas e vaiando intensamente as suas concorrentes. A canção vencedora do festival foi “Ponteio”, de Edu Lobo e Capinam, interpretado pelo primeiro e por Marília Medalha. Para vocês terem uma ideia, foi neste festival que  foram apresentadas originalmente  Alegria, Alegria, de Caetano Veloso; Roda Viva, de Chico Buarque e Domingo no Parque, de Gilberto Gil, esta última sendo considerada marco inicial da Tropicália.

E o melhor, a Grande Final foi preservada, e pode ser assistida na íntegra. Eu me diverti muito revendo este programa que agora trazemos para vocês:

Documento: Maria Bethânia e Paulinho da Viola (1969)

Vale a pena assistir: em 1969, Maria Bethânia e Paulinho da Viola foram entrevistados pelo francês Pierre Barouh em seu documentário “Saravah”. Eles cantaram “Tudo é Ilusão” (canção de Eden Silva e Tufy Lauar ) “Minhas Madrugadas” (Paulinho da Viola e Candeia) e “Pecadora” (Jair do Cavaquinho e Joãozinho).Bethânia nesse trecho faz referências ao disco “Tempo de amor” de Dalva de Oliveira, lançado naquele ano com a faixa “Tudo é Ilusão” além de “Tem Mais Samba” de Chico Buarque de Hollanda.

Abaixo, uma cópia de Saravah filme de Pierre Barouh sobre música brasileira. Com grandes nomes como Baden Powell, Paulinho da Viola, Maria Bethania, João da Bahiana, Pixinguinha entre outros.

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: