Rádio Cultura AM : Jorge Márcio, (Pequena história de uma lenda do Rádio Mineiro)

 

Nesse áudio, o próprio locutor Jorge Marcio relembra sua trajetória de sucesso no rádio de BH, nas décadas de 70 e 80.

Com o perdão da ousadia, Ana Paula, decidi publicar o seu comentário sobre o seu pai. Lindo e comovente, acho que ele interessa a todos nós, fãs eternos da Rádio Cultura e em especial de seu amado (por todos nós) pai. Obrigado por compartilhar conosco.

Por Ana Paula Damasceno Torres – filha Jorge Márcio

O silêncio nos aproxima de pensamentos intensos, torrencialmente sóbrios, nos convida a refletir a respeito do que viveu e nas perspetivas. O que fazer de diferente para colher frutos melhores do e para o ser humano? Eu trabalho desde os 16 anos e amo estar em atividade, estudando, girando a energia do mundo. Minha energia inquietante me ajudou a buscar cedo preencher o vazio da juventude sem condições financeiras de sonhar e experimentar o mundo.

Meus pais tiveram 9 filhos. Seu Jorge, radialista assalariado, Dona Marlene, dona de casa. Todos os filhos estudaram em escola pública e fizeram faculdade incentivados por eles a buscar a única oportunidade de mudança que vislumbravam. Aprenderam cedo o valor e a importância do próprio esforço, do respeito e amor ao outro, da compaixão e do companheirismo. Os 9 filhos escolheram as ciências humanas. Sobrevivência e inteligência emocional. Um irmão sempre ajudou o outro.

Há alguns anos meu pai foi assaltado e quase morreu. Ficou semi cego, perdeu os movimentos do corpo e da mente. Era um radialista criativo, alegre, de imenso e doce coração. Ele tinha muitos amigos de profissão – trabalhou mais de 35 anos coordenando e atuando em rádios do país – mas depois do acidente trágico, três únicos amigos de trabalho foram visita-lo em casa. Seu Jorge contou com o amor da família e se reabilitou superando as expectativas dos médicos.

Seis anos após a tragédia com ele, a vida o colocou em provação novamente. Sua filha mais velha, na época com 35 anos, foi morta por um adolescente drogado porque se assustou com um assalto. Seu Jorge baqueou, mas conseguiu seguir. Sua família não desmoronou porque se amava demais. Ao contrário, se uniu, reconstruiu suas relações com amor e cumplicidade. Seu Jorge e Dona Marlene têm, hoje, 16 netos.Essa reflexão chega no momento em que leio o livro “O Homem que Amava os Cachorros”, um romance que relata o exílio de Trotsky. Excelente! Quando a maturidade chega você se vê rodeado por valores desconhecidos, enxerga suas raízes e se vê mais forte. Estou reflexiva, não triste, nem feliz, apenas pensando que o ser humano é complexo, demasiadamente complexo.

 

3 comentários em “Rádio Cultura AM : Jorge Márcio, (Pequena história de uma lenda do Rádio Mineiro)

Adicione o seu

  1. olá! sou Fábio Costa. ..colega de seu pai sou locutor também , me lembro que (Jorge) me chamava de seu ( discípulo ) porque muito me ensinou …parabéns! ele é o ” máximo ” Jesus abençoe!

    Curtir

  2. Novo comentário de Ana Paula sobre seu pai, o locutor Jorge Márcio:

    Post dia 23 de abril às 10:21hs no Facebook. (https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=10219051443251760&id=1075792341)

    Eu era pré-adolescente nos anos 80 e acompanhei de perto, enquanto menina curiosa, ao intenso movimento que tinha em minha casa, à revolução que meu pai fazia no rádio e em seu entorno. No bairro, nas festas, na escola, no ônibus, na igreja. Todos sempre nos lembravam quem era nosso pai. Eu sentia orgulho e às vezes desprezava, pois eu queria um pai presente e o nosso era o mais menino, o mais jovem, o mais rebelde da casa. Nossa vida era o rádio e nosso pai sempre foi um rebelde cheio de surpresas e contradições. Era amado, admirado e também odiado. Sim, eu lamentava ser a mãe do meu pai, a filha que queria colocá-lo no eixo das famílias tradicionais. Seu Jorge nunca seria enquadrado nos bons costumes. Na verdade eu o admirava exatamente porque ele era diferente. Foi o pai mais amoroso do mundo. Quando esteve presente. Ele era o rei do lar. Eu, feminista sem saber que era, me transformei na maior contestadora do Seu Jorge. Mas fui a filha que escolheu a sua profissão por paixão. Ao acompanhar a evolução do post Radio Cultura no grupo Fotos Antigas de Belo Horizonte revivi e descobri novas travessuras de seu Jorge Márcio e companhia. Quero reunir cada depoimento e gravar um documentário. Será imensa a alegria de registrar todos os depoimentos de quem conviveu com a turma da Cultura e do rádio, como ouvinte ou como locutor, produtor, enfim. Vamos reviver. Quem sabe, agora com análise madura e menos rebelde de minha parte, aqueles anos 80 de rock, cultura, rebeldia e resistência reinundem minha alma com a esperança que sempre a direcionou? Eu não sabia, mas ser filha do meu pai me deu o melhor que há em mim.

    #radiocultura #radio #anos80 #recordareviver

    https://m.facebook.com/groups/211578045863114?view=permalink&id=1097400377280872

    Curtir

  3. Vou falar apenas uma coisa para esta nova geração acostumada a internet. A Rádio Cultura nos anos 70 era o nosso Google, o nosso norte e que ditava moda, sons e despeja nos nossos ouvidos (e mentes) ávidos, todas as novidades do mundo da música, MPB, Rock, Jazz e Blues. Imortal.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: