Lançamento: Paul Weller : Other Aspects, Live at the Royal Festival Hall (2019)

Resultado de imagem para other aspects, live at the royal festival hall

Resultado de imagem para 4 stars and half

Quem está de disco novo é Paul Weller, a cabeça pensante atrás de dois grandes projetos da música inglesa : The Jam (1976-1982) e Style Council (1983-1989), após o que ele partiu para uma sólida carreira solo. O álbum se chama  “Other Aspects, Live at the Royal Festival Hall”. Weller canta como nunca , as cordas e os metais são lindamente concebidos e todo o show é uma visão sucinta e muitas vezes desafiadora de um dos cantores e compositores mais consistentes e criativos do Reino Unido. O melhor disco que escutei neste ano, até agora. Para quem quiser escutar no Spotfy o link está abaixo:

 

Música do Dia: Toque de Arte : Aquarela do Brasil, Hino Nacional e Brasileirinho (2014)

A música do dia hoje é uma dica do meu querido irmão Luis Henrique.

O Toque de Arte é formado por quatro artistas que, segundo sua página no Facebook,  fazem música com virtuosismo e empolgação. SBiografia
O quarteto lançou em Janeiro/17, no Rio Scenarium (Lapa), o CD “Toque de Arte – 20 Anos – Ao Vivo” (FINA FLOR), gravado no Citibank Hall/RJ.  É o seu 3º cd gravado. Os anteriores são o “Samba & Voz” (2004 – Independente) e o “Pelos Quatro Cantos” (2008 – selo Albatroz). Ostentando mais de 15 anos de estrada com a mesma formação, sete deles no saudoso Butiquim do Martinho como convidados do próprio Martinho da Vila, o Toque de Arte atua no mercado nacional e internacional, onde dá ênfase, por ser um artista carioca, à Lapa carioca, sendo um dos representantes da revitalização cultural da região, fazendo, a cada show, uma festa para o público fiel.  Angariou nos seus discos participações especiais de Martinho da Vila, Chico Buarque e Alcione, a Marrom. Bastante atuante na região da Lapa carioca e de Vila Isabel, além de Brasil e exterior. (Texto da página do Grupo no Facebook)

 

Série Pesquisa: As mais tocadas no Brasil 2. A década de 1930

Resultado de imagem para musica brasileira 1930

Dircinha Batista em 1939

A minha geração e em certo grau, também a nova, estamos acostumados a pensar na década de ouro da música popular brasileira (MPB) como situada entre o final dos anos 1960 e o final dos 1970. Mas, será mesmo que esta década foi a melhor da MPB ? Começo a desconfiar. Quando me dispus a pesquisar, ancorado na pesquisa anterior do site Mais Tocadas, outras seleções, separadas por décadas, fui surpreendido. Nada que já não soubéssemos, mas quando colocadas em conjunto, as canções da década de 1930 constituem a verdadeira base para o que escutamos hoje e para a própria década de 1970 (o que, para sermos justos, sempre foi reconhecido por aquela “nova” geração). Convido-os a escutar esta primorosa seleção musical, incluindo essenciais como Pixinguinha, Noel Rosa, Ary Barroso, Lupicínio, Lamartine Babo, Braguinha, Vicente Celestino entre outros, aqui apresentada em versões atualizadas, o que sem dúvida ajuda a trazer estas belíssimas canções para um contexto mais atual, facilitando a sua degustação.

São 45 sucessos:

  1. Minha Palhoça – Silvio Caldas (1935)
  2. O que é que a bahiana tem – Dorival Caymmi (1939)
  3. Tahi – Pra você gostar de mim – Joubert de Carvalho (1930)
  4. As Pastorinhas – Braguinha (1938)
  5. Cidade Maravilhosa – André F ilho (1934)
  6. O Teu Cabelo Não Nega – Lamartine Babo, João e Raul Valença (1932)
  7. Carinhoso – Pixinguinha, João de Barro (1917 e 1937)
  8. Tico Tico no Fubá – Zequinha de Abreu (1917 e 1931)
  9. Pierrot Apaixonado – Joel e Gaucho (1936)
  10. Linda Morena – Lamartine Babo (1933)
  11. Sonho de Papel – Alberto Ribeiro (1935)
  12. Camisa Amarela – Ary Barroso (1939)
  13. Na Pavuna – Almirante (1930)
  14. Camisa Listrada – Assis Valente )1938)
  15. Na Batucada da Vida – Ary Barroso (1934)
  16. Maringá – Joubert de Carvalho (1932
  17. Chão de Estrelas – Silvio Caldas (1937)
  18. Se Você Jurar – Ismael Silva (1931)
  19. O Ébrio – Vicente Celestino (1936)
  20. O Orvalho Vem Caindo – Noel Rosa (1933)
  21. Meu Moreno – Hervé Cordovil (1935)
  22. A Jardineira –  Humberto Porto, Benedito Lacerda (1938)
  23. Se Acaso Você Chegasse – Lupicínio Rodrigues (1938)
  24. Agora é Cinza – Bide e Marçal (1934)
  25. Para Me Livrar do Mal – Noel Rosa (1932)
  26. De Papo pro Ar – Joubert de Carvalho (1931)
  27. Mágoas de Caboclo – Leonel Azevedo, J.Cascata (1936)
  28. Não tem Tradução – Noel Rosa (1933)
  29. No Rancho Fundo – Ary Barroso, Lamartine Babo (1939)
  30. Na Baixa do Sapateiro – Ary Barroso (1938)
  31. Andorinha Preta – Breno Ferreira (1932)
  32. Com que Roupa – Noel Rosa (1931)
  33. No Tabuleiro da Bahiana – Ary Barroso (1936)
  34. Feitiço da Vila – Noel Rosa (1935)
  35. Aquarela do Brasil – Ary Barroso (1939)
  36. Touradas em Madrid – Braguinha (1938)
  37. Lábios que Beijei – Leonel Azevedo, J.Cascata (1937)
  38. Deusa da Minha Rua – Newton Teixeira, Jorge Faraj (1939)
  39. Singing in the Rain – Arthur Freed e  Nacio Herb Brown (1929)
  40. Yes Nós Temos Banana – Braguinha (1939)
  41. Não Tenho Lágrimas –  Maximiliano Bulhões e Milton de Oliveira (1937)
  42. Rosa – Pixinguinha, Otávio de Souza (1937)
  43. Bola Preta – Jacob do bandolim ? (1938)
  44. The Peanut Vendor – Moises Simons (1930)
  45. Faceira – Ary Barroso (1931)

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: