Noite Instrumental Brasileira: Vermelho (# 14 Bis) : Paraiso (2006)

A nossa noite instrumental de hoje é especial, pois homenageia um dos grandes músicos mineiros, que acho que posso chamar de amigo: Vermelho, tecladista do 14 BIS. Vermelho é um músico sensível, criativo e talentoso, como poucos, mas é muito raro poder escutá-lo em trabalho solo. Eu tenho algumas composições dele, que me chegaram às mãos por sua via. Custei a achar este tema, feito por ele, para um documentário. Muito lindo. Vai um pedido do Vitrola: Vermelho publique mais algum trabalho solo pra gente, tá?

Crítica : Romero Lubambo Trio – Praça Floriano Peixoto – Belo Horizonte – 23/05/15

Exibindo IMG_2172.JPG

Cotação ****

Neste sábado, Belo Horizonte recebeu Romero Lumambo e seu trio, como parte do Circuito Unimed-BH, realizado pelo Instituto Unimed-BH. O repertório com influências diversas, foi bastante eclético, com ritmos brasileiros do norte ao sul do país, aliados  ao jazz e ao blues carreira, resultado  da sua estadia em Nova York nos últimos 28. O violonista e guitarrista Romero Lubambo deu um show de competência e simpatia acompanhado por Marcelo Mariano (baixo) e Ramon Montagner (bateria). Romero hoje é muito mais conhecido fora do Brasil, onde é celebrado por seu último álbum, “Só – Brazilian Essence”, que figurou na lista de melhores lançamentos de 2014 da revista norte-americana “DownBeat”. O show teve música brasileira – João Bosco, Dominguinhos, Tom Jobim e composições próprias. Muito bom

Noite Instrumental Brasileira: Carlos Malta – Chovendo na Roseira (Tom Jobim) – 2009

Utilizando diferentes instrumentos de sopro, como saxofones, flautas e pífaro, Carlos Malta interpreta além das composições próprias, temas de Pixinguinha, Edu Lobo, Gilberto Gil, João Bosco, Hermeto Pascoal entre outros. Aqui numa bela interpretação deste clássico de Tom Jobim.

Formação:
Carlos Malta – sopros
Daniel Grajew – piano, teclado
Guy Sasso – contrabaixo
Richard Montano – bateria

Jazz Round Midnight: Lawson Rollins – Locomotion (2013)

Lawson Rollins,  da Carolina do Norte ,  toca uma grande variedade de gêneros , mas é geralmente classificado como  Latin Jazz e World Music. Ele usa elementos do  Samba, Bossa nova, Música do Oriente Médio, Violão Clássico, Flamenco, além de outros.

Noite Instrumental Brasileira: Guinga e Quinteto Villa-Lobos – Cheio de Dedos (Guinga) – 2014

O Quinteto Villa-Lobos é certamente o mais duradouro conjunto musical brasileiro de música de câmara. Está comemorando 50 anos de atividade ininterrupta, marcada sempre por inigualável nível de excelência. O lançamento do CD gravado para o Selo SESC: “Rasgando Seda: Guinga + Quinteto Villa-Lobos”, é dedicado à música de Guinga, considerado um dos mais importantes compositores brasileiro da atualidade.

Formação:
Guinga – violão
Antonio Carlos Carrasqueira – flauta
Luís Carlos Justi – oboé
Paulo Sérgio Santos – clarinete
Aloysio Fagerlande – fagote

Noite Instrumental Brasileira: Andrea Drigo – Pau de Arara (Luiz Gonzaga

Pesquisadora de canto contemporâneo, ou ‘arqueóloga da voz’, Andrea Drigo é multiinstrumentista, regente, diretora e compositora. Técnica em violão erudito pelo Conservatório Guiomar Novaes, tendo mestres como Henrique Pinto e Luis Carlos Tessarin; compositora e regente pela FAAM-SP, inclui em sua formação uma profunda pesquisa por diversos territórios culturais, que vão de musicalidades regionais e afro-brasileiras às paisagens sonoras orientais, com ênfase no estudo da música clássica indiana.

Noite Instrumental Brasileira: Renato Borghetti – Felicidade (Lupcinio Rodrigues)

Borghetinho é mais conhecido por suas interpretações da tradicional música gaúcha, mas aqui ele homenageia outro gaúcjo genial – Lupicínio Rodrigues e sua inesquecível Felicidade. Interpretação emocionada e marcante…

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: