Jazz Round Midnight: Simply Falling – Iyeoka (2011)

Mais uma cantora especial: Iyeoka . Iyeoka Okoawo é  Nigeriana-Americana,  poeta cantora, ativista, educatora e TEDGlobal Fellow Sua música inclui elementos do soul, R&B, rock, hip hop, and jazz.

As Lojas de Disco de BH: – Capítulo IV: Trem Azul

Nos três posts anteriores falamos de lojas que nos marcaram no passado (Pop Rock, Bob Tostes e Hi-Fi), agora vamos prestar nossa homenagem a alguns heróis da resistência.A Trem Azul é uma tradicional loja de discos novos e usados localizada no centro de BH e que já tem uma história de quase 20 anos, no mesmo local. Conheço Malaguti desde os tempos em que jogávamos uma pelada, todas as quartas-feiras juntos. O resultado era sempre, pouco futebol e muito papo sobre músicas. A Trem Azul é o local para quem gosta de achar discos raros, underground, fora de catálogo ou até que nunca entraram em catálogo. O conceito de uma loja tradicional não se aplica, uma vez que não há uma organização formal dos CDs, (novos ou usados), LPs , Caixas de coleções e até publicações como catálogos especiais.  O local  parece uma grande coleção de discos e só o seu dono, o carismático Malaguti, que é o único dono/funcionário do local poderá localizar o que lhe interessar e ainda  contar como adquiriu cada disco (muitos deles entregues nas lojas pelos próprios artistas) e passar informações precisas de cada um.

O grande charme é este a total falta de organização e classificação dos títulos – para achar alguma coisa, só por acaso ou se você perguntar ao Malaguti por um título específico, ai ele saberá exatamente aonde está. Aliás, até a placa com o nome da loja é difícil de achar. Vale a pena também vasculhar a coleção sozinho, e o Malaguti respeitará a sua privacidade, mas ai tenha paciência e curta as surpresas que você vai encontrar. Por isto é melhor ir lá quando tiver tempo de sobra.  Ir à  Trem Azul é uma grande pedida e ela é certamente um dos templos esquecidos, no tempo e no espaço,  reservado para os grandes amantes do ato de comprar discos aqui em BH. Obrigado Malaguti, um verdadeiro heróis da resistência.

PS: Na última vez que estive na loja, ontem, depois de remexer um pouco em alguns velhos discos de blues, deparei com um que eu não conhecia – o Malaguti interveio logo:  “Esta moça é de Boston e gravou este CD aqui em Minas, unindo as suas lembranças do Rio Mississipi e do Rio São Francisco, pode lever que você vai gostar “(já escutei – é ótimo). E como é que você foi achar este disco, Malaguti?”, perguntei. “Foi ela que passou aqui e deixou alguns para eu vender…”. Pois é assim a Trem Azul

Endereço Av Álvares Cabral, 373, Centro – Belo Horizonte

Grandes Temas de Abertura: The Pink Panther (1963) – Main Title

Claro que teria que haver espaço para um dos maiores temas musicais de todos os tempos. Do grande Henry Mancini – a única dúvida é quando ele seria publicado, então resolvemos publicar logo, junto os créditos de abertura do filme de 1963. Sensacionais !

Noite Instrumental Brasileira: Chico Pinheiro – A Ilha (Djavan) – 2014

Considerado um dos artistas mais expressivos da música brasileira contemporânea, o guitarrista, compositor e arranjador, Chico Pinheiro, nasceu em São Paulo. Iniciou os seus estudos musicais através do violão e piano, aos 7 anos, e passou a atuar profissionalmente aos 15. Maravilhosa esta interpretação de A Ilha (Djavan)

Formação:
Chico Pinheiro – guitarra
Rafael Barata – bateria
Tiago Costa – piano
Bruno Migotto – contrabaixo

Jazz Round Midnight: Vijay Iyer Trio – Human Nature” Live at KPLU – 2011

Vijay Iyer é americano. nascido no dia 26 de  Outubro de 1971, pianista, compositor, bandleader, produtor, trabalha com música eletrônica e é ainda escritor. Atualmente radicado em  New York. onde é professor da Franklin D. and Florence Rosenblatt Professor of the Arts na  Harvard University desde 2014. Foi votado como  Pianist of the Year no Down Beat International Jazz Critics Poll. Um dos novos talentos do jazz

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: