Busca

Vitrola dos Sousa

Um pouco de música, bom gosto e família

data

17 de abril de 2015

Os Incríveis Anos 70 VI : Dark Side of the Moon (1973)

lwsm_dark-side-of-the-moon-26-x-26_161

O meu presente de aniversário mais aguardado em 1973, quando eu completei 17 anos, em abril, foi o LP recém lançado do Pink Floyd (1 de Março de 1973, nos EUA). Portanto fazem quarenta e dois anos  que eu escutei esta joia pela primeira vez. No meu toca-discos Garrard/Gradiente logo vibrava a guitarra de David Gilmour , o baixo  de Roger Waters, a percursão de Nick Mason, emoldurados pelos teclados de Richard Wright .

O som que saia daquele vinil era absolutamente inacreditável. O álbum tratava de temas como conflito, ganância, cotidiano, mortalidade e insanidade.Todas as letras foram, primeira vez, escritas por um único membro – Roger Waters, a partir de uma ideia do grupo. O lançamento era muito esperado, porque o Pink Floyd já havia tocado todo o repertório num show com o nome : “Dark Side of the Moon – A Piece for Assorted Lunatics”, , em 17 Fevereiro de 1972 no London’s Rainbow Theatre.

No início das gravações, a banda contratou Alan Parsons como engenheiro residente. Alan já havia trabalhado com a banda, sendo assistente de operação de fita em “Atom Heart Mother”, e posteriormente havia sido promovido a engenheiro. O trabalho de Alan Parsons, assim como de toda equipe técnica, em conjunto com a banda, foi certamente um grande diferencial no resultado final de “The Dark Side of the Moon”

The Dark Side of the Moon foi um sucesso imediato, chegando ao topo da Billboard 200 nos Estados Unidos e já fez mais de oitocentas e três aparições na parada desde então, tendo vendido mais de quinze milhões de cópias e estando na lista dos álbuns mais vendidos da história no país, também no Reino Unido e na França, com um total de cinquenta milhões de cópias comercializadas mundialmente até hoje. A obra também recebeu aprovação total dos fãs e aclamação da crítica especializada, sendo considerado até hoje um dos mais importantes álbuns de rock de todos os tempos. Até hoje ouço este disco com uma certa reverência, como tendo sido ele o responsável por me apresentar um novo e especial tipo de música.

Jazz Round Midnight: Marcus Miller – Hylife – Acoustic [Live in Paris]

MM

Jazz Round Midnight vem mais cedo hoje com um dos maiores baixistas da atualidade, a quem tive o prazer de assistir no ano passado aqui em BH no SESC Palladium. Se você gosta de um baixo bem tocado, não deixe de assistir:

Jazz Round Midnight: Esperanza Spalding – “Overjoyed”

ES-FB-HeadBio-851x315

Linda interpretação do clássico de Stevie Wonder. Esperanza Spalding toca “Overjoyed” no East Roomcomo parte do concerto em homenagem a  Stevie Wonder na entrega do  Library of Congress Gershwin Prize para canções populares em  26/02/2009

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: