Busca

Vitrola dos Sousa

Um pouco de música, bom gosto e família

data

7 de abril de 2015

Histórias: I got my mojo Working

https://i0.wp.com/www.bluesbrasil.com/wp-content/uploads/2012/04/mojo_3-e1348611927575.jpg

 

Sempre fiquei curioso quando ouvia Muddy Waters cantar I got my mojo working. Que diabos é mojo? Depois foi a vez da revista inglesa , na minha opinião a melhor de música hoje em dia, se chamar de Mojo Magazine. Como assim. Fui pesquisar e fiquei sabendo que a palavra era, também em português,  usada como significando cativante, atraente, sex apeal ou  talento. Assim Mojo é o espírito positivo que você aplica naquilo que faz. Ele começa de dentro e irradia para fora. Nosso Mojo está em seu maior nível quando estamos experimentando felicidade e significado no que fazemos e quando transmitimos isso para outras pessoas a nossa volta.

 

E de onde vem a palavra mojo? Quem explica é o bom site Blues Brasil :  “ela nasceu nas  zonas rurais americanas, introduzida pelos escravos. Originalmente o  mojo era um pequeno saco usado por uma pessoa sob a roupa – também conhecida como “mojo hand” (ajudinha extra), e essas bolsas teriam poderes sobrenaturais como proteger do mal, trazer boa sorte, etc…( Nota da Vitrola: Aqui no Brasil costumamos chamar de patuá) .  As bolsas “mojo” normalmente continham uma mistura de ervas, pós, às vezes uma moeda, algo pessoal, e outros objetos pensados para promover a ação sobrenatural ou proteção de quem o usasse.”

(No filme Crossroads, momentos antes do famoso duelo, o personagem de Joe Seneca entrega um Mojo a Ralph Macchio – assista à cena

Continua o Blues Brasil : “assim referências a “mojos” são comuns nas canções de blues rural.Algumas delas eram canções de blues executadas por bandas de Rock’n Roll (de pessoas brancas) na década de 1960. Dessa maneira, a música (e o “mojo) chegou a audiências que não estavam familiarizadas com essas crenças populares, muito menos com as crenças dos negros das zonas rurais, mencionadas nas canções deles e não explicadas por aqueles que as executavam em “covers”. Essa exposição “não programada” a um público desinformado levou a mal-entendidos e, na sequência surgiram outros usos para a palavra. Um exemplo é o filme Austin Powers (de 1999) onde o termo era usado no sentido de “libido”. Algumas outras gírias comuns associam a palavra “mojo” a charme, carisma, karma, cocaína e “aquilo” ou “coisa” (como em “Gimme that mojo!”).”

Algumas frases abaixo, a título de complemento, foram deixadas na língua original para melhor compreensão do contexto :
– He lost his mojo when she dumped him (ele perdeu seu “mojo” quando ela o abandonou);
– I can get any girl if I just use a bit of the old mojo (posso pegar qualquer uma com um pouco do meu velho “mojo”);
– Man, that girl has MOJO! (Cara, aquela gata tem “mojo”);
– God help me, I think I’ve lost my mojo! (Deus me ajude, acho que perdi meu “mojo”).

– I got my mojo working now (Meu “mojo” está muito bom hoje).

Assista ao duelo no filme Crossroads e lembre-se que Ralph Macchio estaja protegido por um Mojo

 

 

Os Incríveis Anos 70 : Capítulo VI – Lynyrd Skynyrd,uma banda maldita

Instigado pelo post do Carlinhos, senta que lá vem história, e cá pra nós  o Rock é  bom de histórias:

O Lynyrd Skynyrd era uma das bandas de maior sucesso na década de 70, e estavam no auge após o lançamento  de ‘Street Survivors’em outubro de 1977. O sucesso do lançamento do disco foi tremendo e imediato, com hits como ‘Free Bird,’ ‘Gimme Three Steps,’ ‘Sweet Home Alabama’ e ‘Gimme Back My Bullets’ já sendo conhecidos mesmo antes do lançamento do álbum. Como a agenda de shows estava lotada, e o tempo entre os concertos era curto, o conjunto optou por comprar e voar em um Convair CV-300. Diz a lenda que o Aerosmith já tinha avaliado o aluguel deste mesmo avião e desistido por que não confiaram na tripulação e na segurança do avião.

Pois no dia 20 de outubro daquele ano, poucos dias após o lançamento do disco, a banda sofreu um trágico acidente aéreo, quando seu bimotor caiu em um pântano em Gillsburg, Mississipi.  O Lynyrd se deslocava de Greenville para Baton Rouge, quando, aparentemente, por falta de combustível o avião sofreu uma pane. Os pilotos tentaram um pouso forçado,mas tocaram em algumas árvores e caiu. Três músicos faleceram no acidente, juntamente com um empresário e ambos os pilotos.Morreram o cantor e líder da banda Ronnie Van Zant, o guitarista Steve Gaines, e o vocalista Cassie Gaines. O baterista Artimus Pyle sobreviveu ao desastre e foi salvo por um fazendeiro local. A partir daí o álbum vendeu ainda mais, tendo recebido o disco de platina, mas o conjunto se dissolveu.A banda voltou a se reunir apenas em  1987,  com Gary Rossington, Billy Powell, Leon Wilkeson, Artimus Pyle e guitarist Ed King — que havia deixado a banda dois anos antes do acidente, além do irmão caçula de Ronnie Van Zant,  Johnny no papel que antes era de seu irmão.

A tragédia voltou a cortejar o grupo em 1986, quando o guitarrista Allen Collins ficou paraplégico após um acidente de carro, quando dirigia embriagado. O baixista Leon Wilkeson morreu em 2001, e o tecladista Billy Powell em 2009, o seu substituto Ean Evans também morreu em 2009, deixando Gary Rossington como único sobrevivente da formação original. Na última semana faleceu Bob burns, também vítima de um acidente automobilístico. Sem dúvida o Lynyrd Skynyrd não foi uma banda com muita sorte, embora tenha tido muito sucesso.

 

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: