Busca

Vitrola dos Sousa

Um pouco de música, bom gosto e família

mês

janeiro 2012

Os Favoritos dos Sousa : Tributo Especial: Etta James

Morreu ontem uma das grandes divas do blues,  Etta James ( Jamesetta Hawkins; 25 de janeiro, 1938 – 20 janeiro, 2012), com certeza uma das favoritas dos Sousa.  Etta trafegou por uma grande variedade de gêneros musicais, como o  blues, rhythm and blues, rock and roll, soul, gospel e jazz. Ela iniciou sua carreira nos anos 1950, e chegou ao sucesso e à fama com hits como “Dance With Me, Henry”, “At Last”, “Tell Mama”, e “I’d Rather Go Blind” .Etta, ao longo da vida enfrentou inúmeros problemas pessoais, inclusive o vício pelas drogas, tendo retomado a carreira apenas no final dos anos 1980s com o album, The Seven Year Itch.

Ela é tida como a responsável por fazer a ponte entre o rhythm and blues e o rock and roll, tendo sido ganhadora de seis Grammys ed 17 Blues Music Awards. Ela foi indicada para o Rock & Roll Hall of Fame em 1993, e para o  Blues Hall of Fame em 2001, e para o Grammy Hall of Fame em 1999 e 2008. A revista Rolling Stone ranqueou James como nº 22 na sua lista das  100 Greatest Singers of All Time e nº 62 na lista de 100 Greatest Artists. (Wikipedia)

Relembre:

 

DISCOGRAFIA

Studio Albums

Year Album details Peak chart positions
US US R&B US Blues US Jazz
1961 At Last! 68
The Second Time Around
1962 Etta James Sings for Lovers
1963 Etta James Top Ten 117
1965 The Queen of Soul
1966 Call My Name
1968 Tell Mama 82 21
1970 Etta James Sings Funk
1971 Losers Weepers
1973 Only a Fool 154 41
1974 Come a Little Closer 47
1976 Etta Is Betta Than Evvah!
1978 Deep in the Night
1980 Changes
1989 Seven Year Itch
1990 Stickin’ to My Guns
1992 The Right Time
1994 Mystery Lady: Songs of Billie Holiday 2
1995 Time After Time 5
1997 Love’s Been Rough on Me 6
1998 Life, Love & the Blues 3
1998 12 Songs of Christmas 5
1999 Heart of a Woman 4
2000 Matriarch of the Blues 2
2001 Blue Gardenia 1
2003 Let’s Roll 1
2004 Blues to the Bone 4
2006 All the Way
2011 The Dreamer 56 4
“—” denotes releases that did not chart.

 Live albums

Year Album details
Chart
US

US Blues

1964 Etta James Rocks the House 96
1982 Etta, Red-Hot & Live
1986 Jazzvisions: Jump The Blues Away
2002 Burnin’ Down the House: Live at the House of Blues 1
“—” denotes releases that did not chart.

Compilation albums

Year Album deta ils Chart positions Certifications
(sales threshold)
US Blues

US Jazz
1987 Early Show, Vol. 1: Blues in the Night 10
1992 My Greatest Songs
1997 Her Best 13
1999 20th Century Masters: The Mille nium Collection 3
  • US: Gold
2000 The Chess Box
2001 Love Songs 2
2006 The Definitive Collection 1
2007 Gold
2011 Who’s Blue?: Rare Chess Recordings of the 60s and 70s
“—” denotes releases that did not chart .

Singles

Year Song Chart positions Album
US

US R&B

CAN

1955 “The Wallflower (Dance with Me, Henry)” 1 Etta James
“Hey Henry”
“Good Rockin’ Daddy” 6
“W-O-M-A-N”
1956 “Number One” Etta James Sings
“Shortin’ Bread Rock”
“Tough Lover”
“Good Lookin'”
1957 “The Pick-Up”
“Come What May”
1958 “Sunshine of Love”
1959 “I Hope You’re Satisfied” (with Harvey Fuqua)
1960 “If I Can’t Have You” (with Harvey Fuqua) 52 6 At Last!
“Spoonful” (with Harvey Fuqua) 78 12
“All I Could Do Was Cry” 33 2
“My Dearest Darling” 34 5
1961 “At Last” 47 2
“Trust in Me” 30 4
“Fool That I Am” 50 14 The Second Time Around
“Don’t Cry Baby” 39 6
“Seven Day Fool” 95
1962 “Something’s Got a Hold on Me” 37 4 Etta James Top Ten
“Stop the Wedding” 34 6
“Fools Rush In” 87 Etta James Sings for Lovers
“Would It Make Any Difference to You” 64 Etta James Top Ten
1963 “Pushover” 25 7
“Pay Back” 78 non-album singles
“Two Sides (To Every Stor y)”[A] 63
1964 “Baby What You Want Me to Do” 82 35 The Queen of Soul
“Loving You More Every Day” 65 7
“Breaking Point”
“Bobby Is His Name”
1966 “Only Time Will Tell” non-album single
1967 “I Prefer You” 42 Call My Name
“Don’t Pick Me for Your Fool”
“Call My Name”
“Tell Mama” 23 10 Tell Mama
1968 “Security” 35 11
“I Got You Babe” 69 32 46 non-album singles
“You Got It” 113
1969 “Almost Persuaded” 79 32 71
“Miss Pitiful”
“Tighten Up Your Own Thing” Etta James Sings Funk
1970 “Sound of Love”
“Losers, Weepers (Part 1)” 94 26 Losers, Weepers
“Nothing from Nothing Leaves Nothing”
1971 “Take Out Some Insurance”
1972 “I Found a Love” 108 31 non-album single
1973 “All the Way Down” 101 29 Only a Fool
1974 “You Can Leave Your Hat On” 76
“Out on the Street, Again” 84 Come a Little Closer
1976 “Jump Into Love” 92 Etta Is Betta Than Evah
1978 “Piece of My Heart” 93 Deep In the Night
“Sugar on the Floor”
1980 “Mean Mother” Changes
1996 “I Just Want to Make Love to You”[B] The Genuine Article: The Best of Etta James
“—” denotes releases that did not chart.

Collaborations with Sugar Pie DeSanto

Year Song Chart positions Album
US

US R&B

1965 “Do I Make Myself Clear” 96 non-album singles
1966 “In the Basement (Part 1)” 97 37
“—” denotes releases that did not chart.

B-sides

Year Song Chart positions A-Side Single
US

US R&B

1961 “Dream” 55 “The Second Time Around”
“A Sunday Kind of Love” “Don’t Cry Baby”
“It’s Too Soon to Know” 54 “Seven Day Fool”
1962 “Next Door to the Blues” 71 13 “Fools Rush In”
1963 “How Do You Speak To An Angel” 109 “Would It Make Any Difference To You”
“I Worry ‘Bout You” 118 “Two Sides (To Every Story)”
1967 “I’d Rather Go Blind” “Tell Mama”
“—” denotes releases that did not chart.

Other appearances

Year Song Album
1962 “The Wallflower (Dance with Me, Henry)” Alan Freed’s Top 15
1985 “The Wallflower (Dance with Me, Henry)” Back to the Future (soundtrack)
1989 “At Last” Rain Man (soundtrack)
1992 “The Wallflower (Dance with Me, Henry)” Sister Act (soundtrack)
1993 “There’s Something on Your Mind” (with B.B. King) Blues Summit
“Mockingbird” (with Taj Mahal) Dancing the Blues
1995 “At Last” Father of the Bride Part II (soundtrack)
“At Last” How to Make an American Quilt (soundtrack)
“Take Me to the River” (with Wayne Jackson and Andrew Love) The Memphis Horns with Special Guests
1996 “It’s a Small World”/”When You Wish Upon a Star Medley” Disney’s Music from the Park
1997 “At Last” Mad About You (soundtrack)
1998 “At Last” Kissing a Fool (soundtrack)
“At Last” Living Out Loud (soundtrack)
“The Man I Love” Melrose Place Jazz: Upstairs at MP
“At Last” Pleasantville (soundtrack)
“Next Door to the Blues” Space Bunnies Must Die! (soundtrack)
1999 “Etta’s Blues” (with Etta Jones) Ain’t She Sweet: Save Your Love for Me/I’ll Be Seeing You
2000 “In the Basement (Part 1)” The Hurricane (soundtrack)
“The Nearness of You” Music from the TV Series Frasier
2001 “Only Time Will Tell” Angel Eyes (soundtrack)
“Gotta Serve Somebody” The Songs of Bob Dylan, Vol. 2: May Your Song Always Be Sung
2002 “Ball ‘n’ Chain” Janis Joplin: This Ain’t No Tribute Series—All Blues’d Up!
“Miss You” (Illicit Remix Edit) Queer as Folk: The Second Season (soundtra ck)
2005 “I’d Rather Go Blind” (with Dr. John) Night of Blistering Blues
“Something’s Got a Hold on Me” (with B. B. King)
“In the Midnight Hour” (with Paul Butterfield, B.B. King, Chaka Khan,
Gladys Knight, Billy Ocean, and Stevie Ray Vaughan)
“Ain’t Nobody’s Business” (with Chaka Khan and Gladys Knight)
“Take My Hand, Precious Lord” (with Chaka Khan and Gladys Knight)

Memória: Geraldão da Radio Cultura (AM) e O movimento Soul em Belo Horizonte

Os trechos deste post são retirados da tese: “IDENTIDADE E RESISTÊNCIA NO URBANO: O QUARTEIRÃO DO SOUL EM BELO HORIZONTE” de Rita Aparecida da Conceição Ribeiro, apresentada Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação do Departamento de Geografia daUniversidade Federal de Minas Gerais, como requisito parcial à obtenção do título de Doutor em Geografia.(2008) . Acesso em 20/01/2012.

Um pedacinho da história musical de BH e do Geraldão, que o Vitrola traz , especialmente para a turma aqui de BH. Vale a pena ler a tese – o link está acima. Lembre só:

” Assim como no Rio de Janeiro, o movimento soul começa em Belo Horizonte a partir da influência do rádio, no caso da rádio Cultura AM. E, assim como o Big Boy foi o radialista que trouxe a linguagem jovem para o rádio no Rio, em Belo Horizonte,essa transição foi encabeçada pelo radialista Geraldo Ferreira de Souza, o Geraldão.”

 

 

“O formato das rádios, assim como das primeiras emissoras de TV em Belo Horizonte seguiam o modelo mais formal. A mudança do cenário acontece com a entrada da programação segmentada, A cultura e o acesso às discussões ligadas à música, ao teatro, à filosofia,foram determinantes na influência da programação musical que se institui na CulturaAM, bem como a constituição de um novo mercado consumidor – os jovens. Muito distantes da elite que freqüentava os clubes da zona sul, os primeiros bailes soul acontecem primeiro, timidamente nas casas da periferia de Belo Horizonte, embalados pelos Ritmos da Noite , da Cultura AM:

“A influência da Cultura AM no conhecimento da soul music é ratificada por Raimundo Luzia Ventura, o DJ Tatu, responsável pela mais famosa equipe de som
da época, a Som James, que explica a sua influência:
A equipe Som James, se chamava assim porque a gente gostava do James Brown. Na época tinha a Rádio Cultura, era ali no Dom Cabral. Então tinha o Geraldão locutor, a gente conseguia alguns discos com ele, era vinil, agente gostava muito, gostávamos de soul e rock. Conhecemos através daRádio Cultura, que foi uma influência para a geração toda da época. (DJTatu, 20 nov. 2007).

 

Dos arredores da cidade, os bailes encontraram no Centro de Belo Horizonte o local ideal para o encontro dos blacks, que vinham dos pontos mais distantes dacidade. O centro era ideal, pois não havia necessidade de mais de uma condução e todos os ônibus circulavam por lá. O mais conhecido, considerado por todos osenvolvidos no movimento como o principal baile era o Máscara Negra, localizado no primeiro andar de um prédio na Rua Curitiba, 482. Sua origem foi um baile de carnaval. Depois de Doraci, o baile passou a ser administrado pela equipe que passou a se chamar Som James. O nome advém do gosto do dono Tatu, pela música de
James Brown.

“Outro baile que concorria em freqüência com o Máscara Negra era o da União Síria, que se localizava na Av. Augusto de Lima, 1269, no Barro Preto, próximo ao Centro, nos mesmos moldes. Durante a semana, os freqüentadores dos bailes black se reuniam em dois pontos de encontro na cidade: a Galeria Ouvidor, na segundafeirapara conversar e na Feira Hippie, às quintas-feiras, localizada na época naPraça da Liberdade, para dançar.”

 

“Diversos bailes aconteciam no entorno do centro, principalmente nos bairros Carlos Prates (Tremedal, Asteka, Orion, Esparta), no bairro Renascença, em diversos outros bairros. O advento dos bailes possibilitou a criação também de diversas equipes de som e de grupos de dança. Entre eles Mister Sam Jazz, África Soul, Sonimegion, Ali Babáticos, Stéreo Gladson, Soul Grand Funk, Stéreo Record Som, BlackMinas, Renegados do Funk, Jazz Summer, Woodstock, Brother Soul eBH Soul. No entanto, a força maior dos bailes, que são citados por todos os entrevistados, residia nos bailes do Máscara Negra e da União Síria, ambos na área central da cidade. Por serem tão freqüentados, eram também freqüentemente alvo de batidas da polícia.”

“A repressão policial era uma constante nos bailes, sempre exigindo dos freqüentadores documentos comprobatórios da condição de trabalhador, não apenas carteira de identidade. A maioria dos blacks não possuía carteira de trabalho assinada, pois grande parte trabalhava no mercado informal como camelôs,pedreiros, etc. E isso acarretava um grande número de detenções.”

O Estádio do Atlético nos anos 1970

“A repressão policial e a discriminação, até então sentida somente pelos freqüentadores dos bailes ficou registrada no evento Black Christmas, promovido por Geraldão e a Rádio Cultura, no campo do Atlético, em Lourdes, que se viram intimidados, mesmo contando com patrocínios de peso, como a Coca-Cola. O declínio dos bailes black no Centro de Belo Horizonte pode ser creditado, principalmente, à repressão policial.

Michel Teló, Los Hermanos e a Hipocrisia

Essa semana eu ouvi muito murmurinho por causa de eventos musicais brasileiros. Costumo não me envolver em polêmicas, mas eu gosto de dar a minha opinião.

teló
#FreeMichelTeló

Primeiro vou começar com a polêmica “Ai se eu te Pego” chegando na Europa. Ok gente, a música é ruim? É. Michel Teló não tem talento? Não. Ela reflete a cultura brasileira no exterior? Talvez. Não vamos nos enganar, o Brasil é muito grande, e somos lembrados sempre por muitas coisas, pela alegria do nosso povo, pelo talento no futebol (ou ao menos era né?), pelos excelentes músicos (exportávamos Mutantes, João Gilberto, Chico Buarque), mas também pelo carnaval, mulheres peladas e, porque não, Michel Teló? Não que eu vá comprar discos de Michel Teló ou frequentar estes tipos de shows (porque ai pra mim é demais, mas não julgo quem o faz), mas vamos concordar que é divertido, quando estamos em alguma festa, algum lugar para nos divertir, ouvir e dançar esse tipo de música. É ai que começa a hipocrisia. Se é divertido para nós, brincar, rir, fazer piada da situação, porque não seria divertido para o Nadal? O Cristiano Ronaldo? Os jogadores suecos? Os portugueses, espanhois, poloneses e italianos? Afinal, nós nos damos o direito de dançar a música do Guarda-Chuva ou do Cafetão (“Umbrella” da Ryhanna e “P.I.M.P.” de 50 Cent) sem sequer nos preocupar com o que a letra quer dizer, e sem pensar que isso “reflete” a cultura americana, não é mesmo? Afinal eles tem tantas coisas boas que podemos relevar isto, certo? Não, a situação é a mesma. A letra também fala coisas desconexas e mesmo assim adoramos dançar. Vão vir os mais hipócritas dizer que “eu não danço quando toca Michel Teló, ou 50 Cent, ou qualquer outra coisa que eu não julgue ser musicalmente interessante”. Ok, então você é um chato, e só isso que tenho pra falar.

E ah, Michel Teló, tudo bem, é bacana seu sucesso no exterior e continue assim, atingindo seus sonhos, mas por favor, não traduza a música para outras linguas. Você faz sucesso lá porque ninguém entende o que você diz, e esse é o charme, traduzir vira vexame, please.

Para a polêmica Los Hermanos, fica a mesma conduta. Eu não julgo quem gosta de Michel Teló, eu não julgo quem escuta Angra, eu não julgo quem curte Velhas Virgens, e não acho que todo fã deve ser generalizado por gostar de um estilo musical. Nem todo fã de Michel Teló é sertanejo barango, nem todo fã de Angra é roqueiro cabeludo, nem todo fã de Velhas Virgens é sujo e nem todo fã de Los Hermanos é cult chato. Conheço fãs de Los Hermanos que escutam Exaltasamba, Cartola, Beatles e Pixote (né Marina Nogueira), e nem por isso podem ser rotulados como chatos. O frisson pelos ingressos aconteceu pelo simples fato de que os caras não tocavam há muito tempo. Pode ser por interesse financeiro, eles podem tocar só por tocar, o show pode ser uma droga, mas o fã não perde essa chance de tomar cerveja, reunir os amigos e cantar suas músicas favoritas. Ou você acha que o Paul McCartney, o ACDC, os Rolling Stones e outros que estão na estrada há anos também só tocam por puro amor aos fãs e as músicas? Tem que ter dinheiro na parada senão ninguém sai do lugar.

Então é isso. Por hoje, abaixo a hipocrisia musical, vamos todos nos respeitar e ser menos críticos com pequenas coisas. Vamos guardar nossas energias para mudar o país, ir as ruas, reclamar algo importante. #FreeMichelTeló, #FreeMarceloCamelo, #Chegadehipocrisia.

*A autora Marina Silva deixa claro que nunca gostou de Michel Teló, mas assume dançar “Ai se eu te Pego” eventualmente em festas de casamento ou formatura, com seus amigos que se julgam cultos demais para isto. Ah, e ela é fã de Los Hermanos, e encararia a fila pelo show (mas botou sua irmã mais nova para cumprir tarefa tão árdua) 😉

As Lojas de Disco de BH III: Bob Tostes

A BOB TOSTES Discos e Fitas que ficava na avenida Cristóvão Colombo, 273, Savassi, do lado do Cine Pathé (em frente da atual Livraria Status) . Lá ela funcionou entre 1977 e 1996. Além  de um bom catálogo, a loja tinha uma atração especial – Bob Tostes. Bob foi e é um músico muito importante na cena musical mineira. Foi um dos líderes, em 1969, do movimento Musicanossa, que junto com Roberto Menescau promovia o intercâmbio entre músicos de BH e do Rio. Nos anos 1970 foi diretor do Festival Estudantil da Canção (FEC) : festival que lançou músicas como “Equatorial” de Beto Guedes,Márcio e Lô Borges, “Clube da Esquina” de Milton, Lô e Márcio Borges, “Canto de Desalento” de Tonino Horta,e outras.

NENoe

Depois Bob fundou uma casa noturna gostosa, chamada Baubles, na Savassi. A Baubles virou uma das casas mais importantes da cidade.O  Baubles recebeu grandes músicos mineiros como Thales Martins da Costa, Arlindo Polizzi Fo., Élson Coutinho, José Namen, Flávio Fontenelle, Melão, Talita Babl, Juarez Moreira, Paulo Nehmy, André Decquesh,  Marilton Borges, e  Yuri Popoff,  sem mencionar as  “jams” com artistas que chegavam à cidade como Menescal, Ivan Lins, Antonio Adolfo, Vitor Assis Brasil, João Donato, Tito Madi, Lucinha Lins, Luiza Fonseca, etc.Bob Tostes também foi produtor da rádio Inconfidência FM na inauguração da programação Brasileiríssima,criada por Claudinê Albertini em 1979. Em 1996, retornou à emissora para a produção de programas diários sobre cinema e MPB, até se transferir para a rádio Guarani FM, em 1999, para participar da reformulação da programação e da produção de especiais.

Voltaremos a falar de Bob em breve:

Para matar a saudade o selo da Bob Tostes Discos e Fitas:

(Retirado de uma foto no site da Fernanda Takai)

Na Hora de Dormir #1/2012

De volta com o Na Hora de Dormir, hoje eu ouvi  uma cara nova – o pernambucano Tibério Azul.

Mais Tibério azul no blog parceiro:Raras Músicas

 

Os Melhores Albuns Nacionais de 2011 – MTV

A MTV compilou os melhres nacionais de 2011, a partir de várias listas:

1.Criolo – Nó na Orelha (em 12 listas)

2.Bixiga 70 – Bixiga 70 (7 listas)

3. Cícero – Canções de Apartamento (em 7 listas)

4. Gal Costa – Recanto (em 7 listas)

5. Karina Buhr – Longe de Onde (em 6 listas)

6. Emicida, Beatnik e K-Salaam – Doozicabraba e a Revolução Silenciosa (em 5 listas)

7. Kassin – Sonhando Devagar (em 5 listas)

8. Ogi – Crônicas da Cidade Cinza (em 5 listas)

9. Pipo Pegoraro – Táxi Imã  (em 5 listas)

10. Wado – Samba 808 (em 5 listas)

Os Melhores Albuns de 2011 – New Musical Express

Começo de ano é hora de listas de melhores do ano: vamos começar coma lista da respeitada revista inglesa NME. Pessoalmente gostei muito da lista, bem melhor que as listas das revistas americanas e com um agradável sopro de Rock’n’Roll e pouco Hip-Hop. Confiram os 10 primeiros:

10.Wu Lyf  : Go Tell Fire To The Mountain

9 . TUnE-YArDs: Whokill

8. Katy B  :On A Mission

7. St Vincent :Strange Mercy

6. Arctic Monkeys: Suck It And See

5. Kurt Vile: Smoke Ring For My Halo

4. Wild Beasts :Smother

3. The Horrors: Skying

2. Metronomy:The English Riviera

1. PJ Harvey: Let England Shake

Novidade: Paul McCartney lança novo CD

Paul McCartney lançará novo CD em fevereiro. Para ir aumentando as espectativas, Paul já divulgou o primeiro single:

My Valentine

What if it rained?
We didn’t care
She said that someday soon
The sun was gonna shine.
And she was right,
This love of mine,
My valentine

As days and nights,
Would pass me by
I tell myself that I was waiting for a sign
Then she appeared,
A love so fine,
My valentine

And I will love her for life
And I will never let a day go by
Without remembering the reasons why
She makes me certain
That I can fly

And so I do,
Without a care
I know that someday soon the sun is gonna shine
And she’ll be there
This love of mine
My valentine

(instrumental)

What if it rained?
We didn’t care.
She said that someday soon
The sun was gonna shine
And she was right
This love of mine,
My valentine

Memórias: Lojas de Disco de BH – Capítulo II

Já na década de 1980, com o declínio da Pop Rock, a nossa loja preferida passou a ser a HIFI, no recém inaugurado BH Shopping. A HI-FI ficava no 2º andar do Shopping, nível Nova Lima e era muito mais avançada tecnologicamente que a Pop Rock. A loja era grande, com um catálogo de discos muito maior, um grande número de vendedores. Na  verdade era filial da loja paulista, que tinha mais de 40 anos de tradição.

A gerência local era exercida pelo Menta, que entendia bastante de música e estava sempre pronto a ajudar com os novos lançamentos. Ir á HIFi era sempre um programa de luxo para os apaixonados por música. Abaixo uma foto do Menta:

E quem se lembra dos cupons de bonus. Dez destes cupons abaixo valiam um disco de brinde. Confesso que juntei algumas centenas deles e pude curtir algumas dezenas de discos bonus, o que dava sempre um prazerzinho a mais.

A HIFI encerrou definitivamente suas atividades no Brasil em 2002, quando seu fundador Hélcio Serrano, decidiu jogar a toalha e encerrar suas atividades. Para encerrar uma imagem da embalagem da HIFI, naqual havia local para se marcar o motivo do presente.

Aguarde os próximos capítulos. Estamos procurando material sobre outras Lojas antigas aqui de BH: A Loja du Pê (Na Galeria do Ouvidor), As Lojas Gomes (Na Rua Tupis), O Museu do Disco (No BH Shopping), A Prodel (Na Savassi) e outras. Quem tiver algum material mande pra gente por favor…

Grande 2012 !

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: